História do Cooperativismo

Algumas das melhores ideias da humanidade surgiram em momentos difíceis. Nosso movimento foi a resposta de um grupo de trabalhadores — a maioria deles tecelões — ao aumento do desemprego e aos baixos salários pagos pelas empresas europeias, após o início da Revolução Industrial.

Tudo começou em 1844, na cidade de Rochdale-Manchester, no interior da Inglaterra. Sem conseguir comprar o básico para sobreviver nos mercadinhos da região, um grupo de 28 trabalhadores (27 homens e uma mulher) se uniram para montar seu próprio armazém. A proposta era simples, mas engenhosa: comprar alimentos em grande quantidade, para conseguir preços melhores. Tudo o que fosse adquirido seria dividido igualitariamente entre o grupo. Nascia, então, a “Sociedade dos Probos de Rochdale” — primeira cooperativa moderna, que abriu as portas pautada por valores e princípios morais considerados, até hoje, a base do cooperativismo.

À BRASILEIRA

No Brasil, a cultura da cooperação é observada desde a época da colonização portuguesa, estimulada por funcionários públicos, militares, profissionais liberais, operários e imigrantes europeus. Oficialmente, nosso movimento teve início em 1889, em Minas Gerais, com a fundação da Cooperativa Econômica dos Funcionários Públicos de Ouro Preto — cujo foco era o consumo de produtos agrícolas. Depois dela, surgiram outras cooperativas em Minas e também nos estados de Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul.

MARCO HISTÓRICO

Em 2 de dezembro de 1969 o cooperativismo ganhou sua própria entidade de representação. Naquele dia foi criada a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e no ano seguinte, a entidade foi registrada em cartório. Nascia formalmente aquela que é a única representante e defensora dos interesses do cooperativismo nacional. Sociedade civil e sem fins lucrativos, com neutralidade política e religiosa.

Dois anos depois, a Lei 5.764/71 disciplinou a criação de cooperativas com a instituição de um regime jurídico próprio, destacando o papel de representação da OCB, mas trazendo ainda alguns pontos que restringiam, em parte, a autonomia dos associados. Essa limitação foi superada pela Constituição de 1988, que proibiu a interferência do Estado nas associações, dando início efetivamente à autogestão do cooperativismo.

NO PARÁ

A OCB/PA foi instituída no estado do Pará em 1973 pela Lei 5.764/71 com o objetivo de ser o referencial do cooperativismo no Estado, representando e fortalecendo o setor. As cooperativas ganharam força política a partir disto. No entanto, a noção sobre os princípios que determinam o regime em cooperativa ainda era pouco compreendida. Havia uma necessidade premente de capacitar a mão de obra. Por isso, em 1999, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop) foi instituído no Estado. A nova instituição do Sistema “S” veio somar à OCB, promovendo a cultura cooperativista e o aperfeiçoamento da gestão. Assume a responsabilidade pelo ensino, formação, profissional, organização e promoção social dos trabalhadores, associados e funcionários das cooperativas.

O QUE VEM POR AÍ

O cooperativismo brasileiro entrou no século XXI com um importante desafio: ser reconhecido pela sociedade por sua integridade, competitividade e capacidade de trazer alegria para as pessoas. E você, que nos lê agora, pode ajudar muito nesse quesito. Faça parte dessa corrente do bem, e ajude a divulgar o cooperativismo. O Brasil e a economia agradecem.

Shadow
Slider
SISTEMA OCB/PA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.