Sicoob Transamazônica planeja expansão no Pará

 

Enquanto muitas empresas ainda tentam se recuperar da recente recessão econômica, as cooperativas estão articulando medidas para ampliar negócios. Nos próximos anos, a meta de R$ 500 milhões em ativos, 25 agências, R$ 10 milhões em sobras anuais e 10mil associados nortearão o trabalho visionário da Sicoob Transazmazônica, que aposta em um planejamento estruturado construído coletivamente para alcançar os seus objetivos estratégicos. Na última semana, a cooperativa apresentou o direcionamento da gestão aos cooperados. O evento teve participação do Banco Cooperativo do Brasil, Central Sicoob Unicoob e Instituto Sicoob. O Superintendente Júnior Serra representou o Sistema OCB/PA, que apoiou a realização do Seminário.

 

Dentro da programação, o presidente da cooperativa, Antônio Gripp, fez a abertura. O Diretor Lucas Gelain iniciou com os Direcionadores Estratégicos e Marino Delgado expôs a visão do futuro. O Diretor regional da Central Sicoob Unicoob, Elisberto Torrecillas, falou sobre a expansão e desenvolvimento da cooperativa. Ainda houve palestras sobre Inteligência de Mercado, Desafios e Oportunidades e, finalizando, a palestra “A grande Virada”.

 

A intenção é atender os municípios de Anapu, Novo Repartimento, Pacajá, Tucuruí, Tailândia, Jacundá, Goianésia, Paragominas, Dom Elizeu, Rondon do Pará, Conceição do Araguaia, Redenção, Parauapebas e Xinguara, Altamira Tucumã, Ourilândia, Marabá, Itupiranga, Floresta Do Araguaia, São Félix do Xingu, Breu Branco e em Marabá, que terá duas agências. Os municípios possuem pontos fortes e diferentes entre si, como pecuária de corte, desenvolvimento do agronegócio de grão, comercio, mineração e serviços.

 

“Dentro da área direcionada pelo Sistema Sicoob para atuação e expansão da nossa cooperativa, que compreende as Regiões Sul e Sudeste do Pará, analisamos os pontos que possuem um potencial econômico maior e trabalham com matrizes estratégicas diferentes para que formemos uma carteira de crédito. Isso nos possibilita pulverizar a carteira com uma visão de diminuição de riscos, por não dependermos de um setor econômico apenas. Também fizemos uma avaliação da população economicamente ativa, potencial de crescimento e de suporte de lideranças que se possibilitem um trabalho de mobilização”, explicou Antônio Gripp.

 

 

 

Na ocasião, também foi discutido o planejamento em curto prazo. Com menos de dois anos de existência, a cooperativa já possui mil associados. A meta é atingir o número de 2mil sócios já em 2018 com R$ 30 milhões em ativos e R$1 milhão de sobras. Atualmente, os cooperados possuem R$ 300mil em sobras e R$ 15 milhões de ativos. A cooperativa tem agências em Pacajá e em Tucuruí. Neste mês, será inaugurada a agência em Novo Repartimento. Para o ano que vem, serão abertos os pontos de atendimento de Anapu e Conceição do Araguaia.

 

A cooperativa trabalha com um portfólio completo de serviços financeiros. São mais de 100 produtos em expansão. Ela já foi constituída no regime de livre admissão dos associados, podendo se cooperar pessoas físicas ou jurídicas em qualquer segmento. A carteira é variada com linha de crédito rural, linha de credito pessoal, comercial, cartões, seguridade, previdência, produtos de investimento como poupança, capital social e RDC.

 

“São objetivos ousados, mas totalmente viáveis. Por isso, envolvemos a equipe no processo de execução. A elaboração do plano foi construída levando em consideração as sugestões tanto dos diretores e conselheiros quanto dos gerentes das agências e funcionários da cooperativa. O Seminário teve o objetivo justamente de discutir, contribuir e definir a proposta para ser formalizada ao Conselho. Posteriormente, aprovaremos em assembleia”, explicou o Diretor Lucas Gelain.

 

 

Uma das ferramentas a serem utilizadas para cumprir os objetivos estratégicos será o Programa de Desenvolvimento da Gestão das Cooperativas (PDGC), que é um serviço disponibilizado pelo Sistema OCB/PA para o aprimoramento da autogestão das cooperativas. Seu objetivo principal é promover a adoção de boas práticas administrativas. A metodologia é pautada no Modelo de Excelência da Gestão® (MEG) da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ), que é um referencial utilizado para promover o aumento da competitividade das organizações.  O Superintendente Júnior Serra apresentou as diretrizes do Programa e a diretoria aprovou a sua implementação.

 

“O país encolheu e a cooperativa está falando em abrir 25 filiais, graças ao empreendedorismo do conselho, da atuação de toda a equipe. Isso é fantástico. Esperamos que consigam ser assertivos em suas ações, priorizando a qualificação da gestão no que podemos auxiliar, sem dúvida. Acompanharemos todas as etapas desta estruturação que representará um ganho enorme para os municípios contemplados, seja com os benefícios de um agente de crédito ou na geração de emprego e renda”, afirmou o presidente do Sistema OCB/PA, Ernandes Raiol.

 

 

Shadow
Slider
SISTEMA OCB/PA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.