Cooperativas Educacionais investem em parcerias e promoções para burlar a crise

 

Apesar da leve melhoria dos números da economia brasileira, o desemprego continua em alta e um dos resultados disso é a inadimplência. O ramo educacional é um dos que mais sofre por especificidades da constituição que impede o rompimento de contrato dos devedores ao longo do ano.  No Colégio Batista de Santarém, por exemplo, a inadimplência teve variações, chegando até 30%. Para diminuir esses números, a Sociedade Cooperativa de Educação Sóstenes Pereira de Barros, mantenedora do Colégio, ofertou promoções mais vantajosas para facilitar o pagamento e investiu em parcerias fortes como o Positivo e o Sistema Equipe. Já a Cooperativa dos Educadores Autônomos de Castanhal (CEAC) oferece preços mais acessíveis de mensalidade em relação ao mercado. Ainda tem o diferencial de Programas Educacionais como o Cooperjovem, o que fez aumentar o ingresso de alunos e segurar a média de inadimplência no máximo de 5%.

 

O Colégio Batista encerrou o último ano com 693 alunos matriculados. A meta estipulada em Planejamento Estratégico elaborado junto ao Sistema OCB/PA é atingir 800 alunos, mas a crise teve fortes efeitos em Santarém. “Tivemos problemas com a inadimplência que oscila muito. Em outubro e novembro tivemos as maiores taxas, chegando próximo de 30%. Se conseguirmos alcançar a meta do planejamento de no mínimo 800, caminharemos com mais folga financeira”, afirmou a presidente da Sóstenes, Carlina Fialho.  

 

De acordo com Carlina, o Colégio aproveitou dezembro como mês promocional, oferecendo alguns atrativos. Os pais que matricularam os filhos antecipadamente pagaram o mesmo valor da mensalidade do ano de 2017.  Para aproveitar a promoção, muitos pais inadimplentes procuraram a cooperativa para negociar e quitar as dívidas. Na próxima semana, também se iniciará uma nova campanha comemorativa aos 70 anos da instituição com o objetivo de prospectar novos alunos. A matrícula já será o valor da primeira mensalidade e o restante das 11 parcelas terá desconto de 50%.

 

Durante as sete décadas de sua existência, o Colégio se tornou tradicional no município na Educação Infantil, Ensino Fundamental 1 e 2, assim como Ensino Médio. É uma escola confessional, que mantém a filosofia cristã e evangélica, assim como os princípios do cooperativismo. Um dos diferenciais é o forte investimento no ensino a partir de parcerias como o Sistema Positivo, de Curitiba, que fornece o material didático para o Ensino Fundamental. Já o Sistema de Ensino Equipe de Belém, que ocupa o primeiro lugar do Estado em aprovação no Enem e terceiro do Brasil, fornece o material didático do Ensino Médio.

 

 

 

 

 

 

CEAC

Já a Cooperativa dos Educadores Autônomos de Castanhal (CEAC) teve um ano positivo, apesar da crise. Houve um crescimento considerável de alunos nos seis núcleos que possui, terminando  2017 com uma média 547 alunos. A expectativa é manter o mesmo número, trabalhando a educação Infantil com crianças de 4 e 5 anos e o fundamental menor, do primeiro ao quinto ano.

 

Um dos atrativos é o preço trabalhado pela cooperativa, que, em virtude disso, não sentiu o impacto negativo da crise. A inadimplência teve índices muito baixos. “Estamos crescendo em Castanhal em vista da qualidade de ensino e as mensalidades com preços mais acessíveis. Nosso público alvo é a classe média. Também não trabalhamos com boleto. Os pais pagam diretamente na Escola e possuem maiores facilidades por isso, como os descontos nas mensalidades quitadas antes do vencimento. Também fazemos negociação direta e não cobramos os juros”, afirmou a presidente da CEAC, Kátia Santos.

 

O Programa COOPERJOVEM, desempenhado em parceria com o Sistema OCB/, Instituto SICOOB e SICOOB Cooesa, é o carro-chefe da cooperativa, através do qual utiliza o cooperativismo como a forma de trabalho. Na escola, os alunos aprendem sobre os valores da cooperação, do respeito e da ajuda mútua. De acordo com Kátia, a parceria com o SICOOB aprimorou ainda mais o Programa a partir dos treinamentos com os professores, premiação para produções dos alunos e projetos educacionais.

 

Uma das metas da CEAC é aumentar a estrutura física e o atendimento educacional, disponibilizando o Ensino Fundamental maior.  O planejamento estratégico ainda está sendo elaborado, mas a intenção é adquirir uma nova sede que possa receber todos os alunos egressos do quinto ano em todos os seis núcleos da cooperativa. “É uma demanda levantada pelos próprios pais, desejosos por continuar conosco, mas ainda não temos esse espaço. Vamos discutir com os cooperados para identificar as melhores formas de se executar essa expansão. Queremos inserir essa clientela o quanto antes”, conclui Kátia.

 

Shadow
Slider
SISTEMA OCB/PA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.