Intercooperação: Sicoob Coimppa irá incentivar uso de energia renovável

 

O Sicoob Coimppa está com um projeto para beneficiar os mais de 2 mil cooperados por meio do incentivo da produção de energia renovável. A ideia é criar uma nova cooperativa que irá fornecer energia por meio de placas fotovoltaicas. Os estudos ainda estão em fase inicial. Por conta disso, na tarde desta quarta-feira (07/03), o presidente do Sicoob Coimppa, José Melo da Rocha, reuniu com Raphael Vale, presidente da primeira cooperativa de energia renovável do Brasil, a Coober, e com Ernandes Raiol, presidente do Sistema OCB/PA, que representa as cooperativas no Estado.

 

Há mais de 20 anos, José Melo da Rocha, utiliza placas fotovoltaicas na Ilha do Marajó. À época, era algo impensável expandir a produção de energia a mais pessoas por conta do alto custo. Hoje, o cenário é mais favorável. O cooperativismo voltado para a produção de energia conquistou alguns benefícios, a tecnologia está melhor, mais acessível, e há muito mais interessados.

 

“Penso que melhorar a vida das pessoas deve ser uma constante que devemos ter como foco para melhorar o nosso trabalho. A questão da produção de energia pode facilitar e colaborar tanto com uma mentalidade genuinamente sustentável como acelerar o processo de desenvolvimento do nosso Estado”, afirmou José Melo da Rocha.

 

Em novembro de 2015, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) alterou a Resolução 687, permitindo a formação de cooperativas para atuar em sistema de geração distribuída e de compensação de energia renovável injetando energia direto na rede elétrica. Em 2016, a Coober inaugurou em Paragominas uma usina solar fotovoltaica com capacidade de 75KWp, que beneficia diretamente 23 cooperados com energia limpa, ilimitada e de baixo custo de produção.

 

“Hoje nossos cooperados da Coober são ‘prosumidores’ de energia renovável em geração distribuída, que significa ser produtor e consumidor de energia ao mesmo tempo. Isso está mudando a visão do consumidor residencial que antes tinha papel passivo de apenas receber e consumir a energia. O setor elétrico brasileiro está passando por mudanças o que também traz muitas oportunidades”, enfatizou Raphael Vale.

 

Gargalo

Apesar dos avanços, a legislação ainda estabelece de maneira inflexível o pagamento de demanda contratada de usinas puras (aquelas que apenas produzem energia, injetam energia na rede para e compensação e sem carga instalada) igual a de uma usina com carga instalada para abastecer e manter uma indústria ou um comércio.

 

“Esse é uma discussão que precisamos levar em frente porque pode mudar para melhor a nossa relação com a geração de energia e abastecer vários setores cooperativistas ou não. O mundo já acordou para isso. É preciso que nos apropriemos disso e façamos aqui, no Pará, na Amazônia, o exemplo todo o Brasil”, finalizou Ernandes Raiol.

Shadow
Slider
SISTEMA OCB/PA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.