COOPMASP recebe monitoramento do Sistema OCB/PA

 

Apresentando conformidade nos aspectos contábeis e tributários, assim como todas as certificações necessárias para operar com madeira de origem legal, a Cooperativa da Indústria Moveleira e Serradores de Parauapebas (COOPMASP) recebeu monitoramento do Sistema OCB/PA. O objetivo é aprimorar os processos internos de gestão e governança. Uma das ações de desdobramento do diagnóstico é a realização da Assembleia Geral Ordinária (AGO), que ocorre no próximo dia 28.

 

Na visita técnica para aplicar o monitoramento, se verificou as formas que o Sistema pode contribuir no processo de reorganização social da COOPMASP. Um dos aspectos positivos é a estrutura de negócio da cooperativa que, por ter a experiência de 20 anos no mercado, já conhece o cenário em que atua. Também possui todas as certificações referentes ao desenvolvimento da atividade, como a da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (SEMAS) e do IBAMA.

 

“Toda a matéria prima que passa pela cooperativa, no caso a madeira, vem através das áreas de manejo da Vale, que explora as áreas e, por não utilizar madeira, faz o repasse para beneficiamento. É tudo documentado para que se possa ter o controle legal da madeira e liberação dos demais órgãos competentes que regularizam a atividade. Os cooperados estão totalmente aptos para comercializar com segurança”, afirmou o analista de desenvolvimento de cooperativas do Sistema OCB/PA, Jamerson Carvalho.

 

No último mês, a cooperativa completou 20 anos. É a única singular que trabalha no ramo dentro da Região Norte. Através dela, se criou o polo moveleiro de Parauapebas com os cooperados que formam 96 movelarias instaladas em uma área de 250mil metros. A cooperativa presta serviços na parte de gerência do polo, garantindo acesso a infraestruturas básicas e organizando o licenciamento dos cooperados. O principal produto é a serragem da madeira para o moveleiro a preço de custo. Os cooperados produzem móveis rústicos e coloniais.

 

No aspecto fiscal, a COOPMASP adquiriu um sistema contábil próprio para ter um controle econômico e financeiro de suas operações. “A prestação de contas que não possui informações elaboradas por equipe de contabilidade pode fragilizar a administração da cooperativa. Portanto, essa aquisição permite que cumpram a legalidade e se direcionem ao mercado da melhor maneira possível”, completa Jamerson.

 

Por ter passado um período inadimplente e sem o amparo do Sistema OCB/PA, a cooperativa ainda precisa realizar alguns ajustes para se regularizar como organização social coletiva nos moldes do cooperativismo. Com o apoio em monitoramento, a partir do Programa de Acompanhamento da Gestão das Cooperativas (PAGC), se gerou um índice de conformidade geral cooperativista e um diagnóstico com informações para se elaborar um plano de melhorias. A medida permitirá que a COOPMASP tenha o cumprimento pleno da legislação e se regularize documental e organizacionalmente.

 

“O primeiro passo após a aplicação da ferramenta é a realização da AGO. A principal pauta será a prestação de contas e eleição do Conselho Fiscal.  Será um trabalho contínuo, por isso, também participaremos da Assembleia, contribuindo no direcionamento legal e na elaboração da ata de acordo com o que a legislação exige. É importante para garantirmos a prática democrática da cooperativa por ocasião da AGO, também deixando encaminhado o próximo passo de arquivamento para homologação e validação na Junta Comercial do Pará”, afirmou o presidente do Sistema OCB/PA, Ernandes Raiol.

 

"Foi fundamental o diagnóstico para conhecermos nossa realidade para, a partir dai, estabelecer uma meta e fazer com que a cooperativa possa andar legalmente, não somente em relação a documentos, mas também ao cooperativismo e suas leis", conclui o presidente da COOPMASP, Sérgio Neto.

Shadow
Slider
SISTEMA OCB/PA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.