Seminário aborda cenário do cacau cooperativista

 

Embora seja o maior produtor de cacau no Brasil, o preço do fruto no Pará é menor do que o praticado em outras regiões do país. A informação divulgada pela Secretaria de Estado da Fazenda (SEFA) aponta para a necessidade de organização produtiva e ampliação de competitividade das cooperativas. O tema norteou as discussões de Seminário, que foi uma realização do Sistema OCB/PA em parceria com o MAPA, Sedeme e Nós Consultoria. Participaram produtores de diversas regiões do Pará, na Casa do Cooperativismo. O evento é uma das ações decorrentes de chamada pública vencida pelo Sistema OCB/PA.

 

Em 2017, o Pará atingiu o valor de US$ 1,4 milhões em exportação do cacau para outros países. As vendas para outros Estados do Brasil chegaram a R$ 543 milhões, com Bahia e São Paulo sendo os principais destinos do fruto. Em seis anos, o Pará dobrou sua produção de cacau, chegando a 117 mil toneladas na última safra, o equivalente a quase 50% da produção brasileira. Pelos dados da CEPLAC, a produtividade média no Pará é de 911 quilos por hectare e a produção deve crescer entre 7% e 9% por ano até 2030.

 

Apesar dos números positivos, o Seminário destacou os principais desafios do segmento: organização produtiva e verticalização. Uma das preocupações é o preço do fruto in natura. A cotação do cacau no fechamento da última sexta (05) marcou o preço da arroba na Bahia em R$ 125,00 e a saca no Espírito Santo em R$ 490,00. A cotação no Pará, que é por unidade, marcou R$ 7,50. Nivelando as unidades de medida, o preço do cacau paraense é cerca de R$1,00 mais barato em relação ao cacau baiano.

 

“A finalidade do Governo é dar proteção aos interesses de nossos produtores. Uma vez que o preço recebido é menor, a arrecadação do Estado cai, assim como o repasse para o fundo de desenvolvimento da cacauicultura. Nossa intenção é que o preço seja compatível com o mercado e com a qualidade do cacau, que hoje não vem sendo remunerando no nível adequado. Os produtores podem e devem se posicionar para nivelar o preço. O Estado oferece todo o apoio nesse sentido”, explicou o diretor de desenvolvimento de indústria, comércio e serviço da Sedeme, Sérgio Menezes.

 

De acordo o presidente do Sistema OCB/PA, Ernandes Raiol, a solução para os agricultores é o fortalecimento das cooperativas. “Precisamos levantar mais dados para saber o porquê dessa diferença de preço. Não sabemos exatamente os motivos, mas a solução é fortalecer as cooperativas, agregar valor à produção, verticalizar. São os caminhos possíveis. Somos os maiores produtores do país e precisamos assumir esse papel”.

 

O DENACOOP

O Seminário é uma das ações previstas no projeto estruturador que o Sistema OCB/PA conseguiu captar junto ao Governo Federal. Produtores de cacau na Transamazônica e pescadores da região de Santarém estão sendo beneficiados com recursos provenientes do Departamento de Cooperativismo e Associativismo da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo (DENACOOP). O Departamento pertence ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Estão sendo destinados cerca de R$350mil para a qualificação profissional das cooperativas, associações e comunidades em que estão inseridas. A contrapartida do Sistema OCB/PA foi de R$ 100mil.

 

“Estamos acompanhando o Projeto e a avaliação do trabalho é bastante positiva. Está tudo sendo desenvolvido de forma normal, de acordo com o que já estava previsto inicialmente. Através dessas capacitações, o produtor terá a facilidade de aprender e desenvolver sua atividade com maior retorno. Já possuem a expertise de produção, falta apenas de comercialização e padronização”, afirmou o assistente técnico da Divisão de Políticas e Desenvolvimento agropecuário do MAPA, Rubens Velasco.

Shadow
Slider
SISTEMA OCB/PA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.